Buscar
  • Dra. Rita Queiroz Sabbag, farmacêutica

A importância da inteligência farmacêutica



Nesta edição vamos falar do estudo dos tipos de cápsulas a serem utilizadas em sua formulação. É importante entender as diferenças entre as cápsulas.

Cápsulas gelatinosas são aquelas de gelatina, fabricadas com a hidrólise do colágeno, que é uma substância retirada dos ossos e da pele de animais. São destinadas à veiculação de fármacos e tem consistência dura.

Cápsulas vegetais são aquelas de origem vegetal, usadas para veganos e vegetarianos. Além de representar uma excelente alternativa às cápsulas gelatinosas, outra dica é que elas são utilizadas para substâncias que são sensíveis à umidade.

Cápsulas de tapioca são derivadas da goma de tapioca, através de um processo de fermentação natural. Utilizadas principalmente para formulações sublinguais.

Cápsulas entéricas ou revestidas. O revestimento gastro resistente é uma técnica utilizada na preparação de formas farmacêuticas, sem alteração, à ação do suco gástrico, devendo, porém, desagregar-se rapidamente no suco intestinal. Existem fármacos que por serem irritantes ao estômago ou sensíveis ao baixo valor de pH do suco gástrico (entre 1,0 e 2,5) devem passar intactos pelo estômago para serem absorvidos no intestino.


Dentre as substâncias empregadas no revestimento entérico de cápsula, a mais interessante do ponto de vista de aplicabilidade na farmácia magistral é a de acetoftalato de celulose.

Algumas das razões mais importantes para se proceder ao revestimento entérico:

• Proteger os fármacos que se decomponham em meio ácido, tais como enzimas e alguns antibióticos.

• Prevenir mal estar gástrico e náuseas, devido à irritação provocada pelo fármaco.

• Administração de fármacos para ação local nos intestinos, como os antissépticos intestinais.

• Quando for importante que o princípio ativo não sofra diluições antes de atingir o intestino, como por exemplo, mesalazina e sulfassalazina.


Cápsulas moles são perfeitas para armazenamento de componentes líquidos ou semi-sólidos. Mundialmente esse tipo de cápsula é amplamente utilizado como mecanismo de entrega de medicamentos e suplementos nutracêuticos como Omega-3, por exemplo. São mais utilizadas pela indústria.

Portanto, quando você faz o seu medicamento manipulado existem vários detalhes fundamentais que somente a equipe farmacêutica consegue estudar e escolher qual a melhor cápsula para sua formulação ser completamente eficaz.

RITA QUEIROZ SABBAG, é Formada em Farmácia Bioquímica, pós-graduada em Cosmetologia, Homeopatia e Manipulação. Possui MBA Nacional e Internacional em Cosmetologia.

0 comentário